Tio Afonso

Meu pai era cordial, simpático e até engraçadinho, quando queria ser.


Seu irmão, Afonso, contudo, era isso e muito mais. Tio Afonso, além de cordial e simpático, era muito espirituoso e divertido.


Tio Afonso era o oposto de tia Fina, sua mulher, que infelizmente, partiu muito antes dele. O nome dela era Josefa, ao contrário de minha mãe, que se chamava Josefina e era chamada de tia Zefa. Tia Fina era séria e tímida, enquanto tio Afonso era brincalhão e estrovertido.


Quando eu era criança, eles moravam na Fazenda Borborema, onde passava metade de minhas férias em Siqueira Campos. A fazenda, dos meus outros tios: tia Nena, a irmã mais nova do meu pai e tio Onésimo, poderia ser quase um ponto turístico da cidade, talvez por ser um belo passeio e, com certeza, por ter a piscina mais desejada de todo o Norte Pioneiro.


Tio Afonso era o braço direito de tio Onésimo na fazenda e por isso, viajava muito, tanto pra São Paulo, quanto pra Curitiba, onde nos visitava com frequência.


Naquela época, não existia rede nacional de televisão. A programação então, não era totalmente a mesma em todas as cidades. As novelas, por exemplo, tinham um delay e passavam primeiro no Rio, no dia seguinte em São Paulo, pra depois passar em lugares fora desse eixo, como Curitiba.


Em suas visitas, tio Afonso, não apenas fazia pouco caso de nós estarmos assistindo algo que ele já tinha assistido, como se dava o trabalho de antecipar o que aconteceria na próxima cena. E se divertia com isso.


O fato é que este spoiler que ele gostava de nos proporcionar foi incorporado em nosso vocabulário. Quando uma pessoa quer contar uma coisa nova, inédita, que ninguém mais sabe, só ela, perguntamos: assistiu em São Paulo?


Certa vez, tio Afonso chegou em casa, durante uma de suas viagens. Lembro que meu pai perguntou o que ele tinha ido fazer em São Paulo. Ele, com um certo ar blasé, respondeu: é que o Onésimo comprou um avião e fui lá ver os detalhes da compra...


Diante de todos, com os olhos arregados em torno dele, ele continuou sua história, parando, ora aqui, ora ali, pra responder as perguntas que iam surgindo sobre o teco-teco


Tio Afonso nos contou como tinha sido a longa negociação, o modelo do avião, um Cessna, quantas pessoas cabiam e como tio Onésimo tava rico e feliz com a compra do novo meio de transporte.


O sucesso do relato foi enorme, todos em sua volta pedindo mais e mais detalhes, sobre a incrível novidade, com a boca aberta e com os ouvidos atentos.


Todos já se imaginavam a bordo do avião, voando num lindo céu azul, com destino à Fazenda Borborema, ou dela pra onde a imaginação deixasse, quando ele soltou uma sonora gargalhada e disse: é mentira!!! Este era o tio Afonso...


164 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Frigidaire

Essencial