Super Bacana x Hyper Cool

Heloísa entrou em sua kitchenette pscodélica meio down, jogou o molho de chaves do fuscão azul pavão em cima da radiola e colocou um LP dos Mutantes no último volume pra curtir um som. Tatianne chegou meio deprê no seu loft todo clean, jogou as chaves do Mini Cooper vermelho em cima do Home Theather e colocou um DVD da Diana Krall no Dolby Surround, pra relaxar.


As lentes escuras do Ray-Ban de Helô não eram suficientemente escuras pra esconder toda sua amargura. Tirou da cabeça, o arquinho rosa-choque que espremia seus sentimentos, deixando soltos, seus cabelos à la Farrah Fawcett. As lentes rosas dos óculos Ray-Ban, não disfarçavam o aborrecimento que Taty sentia. Puxou da cabeça, a tiara pink que emoldurava seus cabelos de Gisele Bündchen que tava comprimindo seus pensamentos.


Helô tirou a camiseta Hering branca e a calça jeans Índigo Blue Levi’s, vestiu um robe, foi até a cozinha, pegou uma Crush estupidamente gelada e misturou-a com vodka. Ao fechar a porta da Frigidaire vermelha, avistou a Polaroid que havia tirado dele naquele sarau. De fato ele é um pão. Aquela camisa de Tergal preta aberta mostrando a corrente de prata no peito e a inseparável calça toureiro de brim que ele nunca tira nem pra mandar pra tinturaria. Pombas, porque ela tinha que descobrir tudo assim? E tinha que ser justo com aquela cocota cafona que mais parece um travesti?


Taty arrancou sua T-shirt branca GAP e sua Levi’s 5 pockets, vestiu um roupão, foi até a cozinha e pegou uma Coca Light bem gelada. Encostando-se na porta do Frost Free Electrolux absolutamente branco, reparou na print da foto digital que tirou dele naquela balada. Não dá prá negar, ele é um gato, ainda mais com aquela camiseta preta e a inseparável calça Diesel que ele não tira nem pra lavar. Droga, porque ela tinha que descobrir tudo assim? E tinha que ser justo com aquela perua brega que mais lembra uma Drag Quenn?


Pensando bem, Helô preferia nunca ter entrado naquela lanchonete pra comer Banana Split. Foi lá que encontrou o bilhetinho anônimo e jacu dentro do seu diário. O bilhete infame alertava sobre as peripécias que aquele Don Juan de meia tigela taria fazendo naquela tarde. E o incrível é que ela iria se encontrar com ele, justamente naquele final de tarde. O passeio seria a inauguração do novo Ford Maverick preto super bacana que ele tinha comprado a prestação. É claro que ela levou o bilhete a sério e, na Avenida Batel, pôde conferir o infeliz desfilando com aquela maria-gasolina tonta tendo o privilégio de inaugurar o carro com ele.


Taty agradecia aos deuses por ter recebido aquela estranha mensagem no seu Iphone

contando-lhe as últimas sobre o galinha. E acredita que eles iriam sair juntos naquele começo de noite? O programa seria a estréia do novíssimo Fiat Freemont preto hyper cool que ele tinha comprado no leasing. Taty não só acreditou na advertência anônima, como pôde conferir a tal perua passando na frente dela dentro do carro novo.


No meio daquele devaneio Heloísa é acordada pelo toque insistente da campainha do telefone. Era o dito cujo. Ele jurou amor eterno, pediu perdão pelos seus erros, prometeu que nunca mais iria nem olhar para nenhuma outra mulher. Helô não podia resistir àquela voz de Alain Delon. Em poucos minutos de conversa, ela chorava copiosamente, lembrando de tudo que eles já tinham feitos juntos naqueles sete anos de namoro. Finalmente, então, ela o perdoou mais uma vez. Logo depois, sentou-se no sofá, abriu seu diário e escreveu que naquela tarde tinha prendido alguém muito especial em seu coração pois sabia que em nenhum lugar do mundo iria encontrar um outro igual a ele.


Tatianne estava tão distraída que se assustou com o toque suave do Iphone. Era o próprio. Ele pediu-lhe desculpas pela pisada na bola, disse-lhe que ainda tava a fim dela e que dali em diante, em vez de atacar, ele jurava que se contentaria em apenas olhar para as outras mulheres. Taty quase não resistiu aquele tom de voz de Ashton Kutcher tupiniquim. Em poucos minutos de conversa, pensava em tudo o que tinha deixado de fazer naquelas sete semanas em que estavam juntos. Já tinha decidido. Simplesmente não disse nada. Desligou o Iphone. Sentou-se no sofá, ligou o Ipad e começou a procurar um outro menos chato no facebook, para substituí-lo imediatamente.


66 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

A Cadeira