O Presente

Meu pai quase não dava presentes à minha mãe. Quando dava, em datas especiais, variava entre uma caixa de sabonetes e um pote de talco Alma de Flores, marca que até hoje pode ser encontrada em algumas farmácias e em armazéns e mercadinhos de bairro.


Lembro dele, tentando escolher algo diferente e sempre voltando à ideia original, pedindo pra embrulhar pra presente, na Farmácia Vital Brasil, do seu Luiz e da dona Vitória ou em outro lugar perto de casa, no Seminário.


Pra ele, na sua simplicidade, aquele presente significava seu amor. Pra ela, aquele gesto valia mais que qualquer outro presente.


Pra mim, o gesto, a simplicidade, a compreensão, a gratidão e o amor entre eles, significa o valor que hoje dou ao presente, passado e futuro.


155 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Frigidaire

Essencial