Le Coiffeur

Já procurei, procurei, mas nunca encontrei um gibi antigo no qual li, certa feita, uma história hilária do sempre mal humorado e impagável Pato Donald.


Na tal tirinha o pato mais mais chato e azarado de Patópolis, pra variar, tava duro e inventou um modo criativo pra ganhar dinheiro: se passando por um cabeleiro famoso, montou um salão de beleza grã-fino.


As madames logo descobriram o tal endereço do coiffeur e começam a aparecer em pencas, com seus carrões, jóias, dinheiro, pelancas e muita vontade de voltar a serem jovens e ficar, a qualquer modo, belíssimas.


Donald não se dá por vencido e, com muita pompa e circunstância, dá uma de mago da beleza, deixando as dondocas todas, maravilhosas.


As velhas senhoras ricas saem satisfeitíssimas com a visita ao novo e talentoso profissional da estética. Rugas e papadas, ele as resolveu com alguns grampos de roupa, estrategicamente aplicados nas nucas, que ao esticarem a pele, tornou os rostos de todas, angelicais.


Pra dar um refinado acabamento facial, nada melhor que a tradicional massa de vidraceiro, que escondendo qualquer imperfeição, proporcionou uma tez aveludada e saudável a quem, há muito, já não lembrava o que foi isso um dia...


É claro que no final, aquele tratamento totalmente alternativo, nada ortodoxo e absolutamente suspeito dá errado e a história termina com as antes maravilhosas, translubrantes e satisfeitas clientes correndo atrás do charlatão querendo matá-lo com muita gana do tal pato, que desesperadamente, corre.


Tenho certeza que, mais dia, menos dia, quando menos esperar, ainda encontro esse gibi por aí.


212 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Frigidaire

Essencial