Irmão Sol, Irmã Lua

Ir ao cinema era mesmo uma coisa extraordinária, rara e formidável. Lembro que fomos, meus pais e eu, numa noite fria, num dia de semana, no Cine Lido.


Pra tirá-los de casa, à noite, pra ir no cinema, teria que ser um filme muito, muito especial e pra eles era: Irmão Sol, Irmã Lua, a história da vida de São Francisco de Assis, de Franco Zeffirelli, que já tinha dirigido Romeu e Julieta, com muito sucesso.


Assim como Baby e Pepeu, porém, fomos barrados na Disneylândia. O filme era censura dez anos e eu só tinha nove. Mesmo com a argumentação de meus pais, que eu tava acompanhado deles, não houve negociação e tivemos que voltar pra casa sem assistir à sessão.


Não era permitido, a um menino de nove anos ver a bunda do santo, a única cena que justificaria a taxação da censura. hoje, a tal cena do filme, reprisado na Sessão da Tarde, não é mais motivo pra barrar ninguém no cinema ou na televisão, talvez no Facebook.


85 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Frigidaire

Essencial