Fogo e Chuva

Atualizado: 30 de nov. de 2021

Uma coisa leva a outra coisa que leva a outra: naquela noite escutei no rádio Fire and Rain de James Taylor. Lembrei de quando éramos recém casados, e morávamos no Água Verde, do quanto escutávamos este CD e o quanto gostávamos dessa música. Lembrei que ela fazia parte de uma linda cena de um belo filme: O Peso de um Passado (Running on Empty).


Nele, uma família, por conta de atos dos pais em movimentos antiguerra, precisavam viver na clandestinidade. Assim eles viveram até que o filho mais velho, cansado de viver fugindo do FBI, resolve traçar seu próprio caminho. O rapaz era vivido por River Phoenix, talentoso ator e músico, irmão mais velho de Joaquim Phoenix, que morreu aos vinte e três anos de overdose.


Lembrei de Milton Nascimento, que ao ficar fascinado por seu olhar profundo, ao assistir um filme dele, enquanto tava hospedado num hotel em New York, fez uma canção a ele, chamada River Phoenix. Pra poder gravar a música, seria preciso autorização. Ele conseguiu, através de Quincy Jones, o contato da mãe do ator, que a princípio não autorizou.


Rain, a irmã do ator, ao souber do telefonema e de quem tinha feito a música, ficou louca, pois tanto ela quanto River, eram fãs de Milton Nascimento. Quando Milton soube que os irmãos tiveram contato com sua música, ao ouvi-la no rádio, enquanto tavam em New York, no mesmo hotel, em que Milton se hospedou, ele percebeu que aquilo era coisa do destino.


Os dois acabaram construindo uma bela amizade, que durou alguns anos, até com a visita de River e a família dele, passeando pelas ruas de Três Pontas em Minas Gerais. Pensei o quanto Bituca deve ter sofrido com a perda do amigo.


Procurei saber sobre Fire and Rain e descobri que a Suzanne citada na música, era Suzanne Schnerr, amiga de infância de Taylor. Ela se matou e ele só ficou sabendo algum tempo depois. Seus amigos não queriam que ele sofresse num momento muito produtivo da vida dele.


Na música, composta no dia em que soube da morte dela, ele fala de sua própria batalha contra as drogas e a depressão. Na canção, fogo são os choques e a chuva, os banhos frios que ele recebia. O que era pra ser um desabafo triste e verdadeiro se transformou num sucesso mundial já gravado por muita gente boa desde então.


Penso que a roca que fia a linha da vida vai somando uma coisa aqui e outra ali. Fatos, fotos, pessoas, experiências, músicas, filmes e lembranças vão se misturando na gente. Quando um fio acaba, dá um nó na garganta, mas a fiação continua. A história não tem fim…


https://youtu.be/EbD7lfrsY2s


110 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Cadeira