A Torre

Caso do acaso, bem marcado em cartas de tarot. Certa vez, ganhei um presente inesperado: meu perfil completo, dizendo o que provavelmente sou e não sabia ou sabia e não compreendia. Botando de lado os entretantos e partindo logo pros finalmente, disse então a revelação:


Que minha fase de maturação iniciou-se aos nove anos e que aprendi as coisas muito cedo.


Que senti a falta real do meu pai, que apesar de não ser rígido comigo, era distante, devido à vida atribulada dele na época.


Que houve uma falta psicológica também, já que temia muito sua morte, pois nessa fase, sua saúde revelou-se frágil.


Que com ele aprendi a respeitar o tempo, que tudo tem sua hora e um momento certo pra acontecer.


Que não devo ser turrão comigo mesmo e que devo saber ceder, o que não é fácil, já que sou muito crítico, começando por mim mesmo.


Que gosto de esclarecer todas as minha dúvidas e que não são poucas.


Que receio a escassez e que me sinto impotente frente a determinados desafios emocionais.


Que desejo ficar sozinho diante de uma dificuldade e gosto de não estar preso à nada.


Que tive dificuldades quanto a cursos e estudos no passado, reprovei o primeiro científico, não terminei o Cefet e somente concluí a faculdade pois tinha Raquel ao meu lado.


Que, de certa forma, não consegui fazer o que realmente queria, pois a arquitetura de fato ficou pra próxima encarnação.


Que devo ter cuidado com a frieza e o distanciamento e que consigo o que quero de pessoas bem mais velhas que eu.


Que não devo ser intransigente. Devo ter cuidado com as manias de querer resultados à minha maneira, devagar e sempre e também, devo evitar o ceticismo e o pragmatismo.


Que devo ter cuidado com os ossos, cabeça, aparelho digestivo e também com radicais livres.


Que tenho Interesse por história e eventos passados, devo ser solícito sempre, não ser cabeça-dura.


O texto dizia também que parte de minha missão é ajudar pessoas idosas, pois tenho afeto por avôs, que não devo me fixar demais em casa, devo ser ponderado, ter bom-senso e não me acomodar.


Que minha vida mudaria materialmente pra melhor, principalmente depois dos quarenta e cinco anos, vamos aguardar.


Que devo praticar atividades físicas, gosto de pedras, cristais principalmente, de objetos antigos como relógios e souvenires e que sei esperar.


Que terei longevidade, tenho capacidade de orientar e que não devo tentar conseguir as coisas através de atalhos na vida.


Esta revelação foi feita e enviada por meu amigo Edvaldo de Oliveira Leme, que pondo num mesmo cadinho: psicologia junguiana, tarot, conhecimento egípcio, magia dos alquimistas, sabedoria dos druidas e a amizade que nutre por mim, cuja recíproca é totalmente verdadeira, conseguiu definir um pouco do vasto universo que habita em mim e que levo pra onde vou.


Obrigado Edvaldo. Valeu Douglas!!


67 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Polaca

A Peleja