A Inglesa

Então iríamos passar o feriado de sete de setembro numa chácara em Morretes! Seriam duas turmas da Federal juntas: A de Regina Maria Machado, minha amiga de Comunicação Visual e a de Eduardo, seu irmão, com o pessoal dele, de Administração.


Uma semana antes, um encontro no Kharina, no Batel, pra que os acertos fossem acertados. Comes, bebes e outros detalhes do que estávamos bolando.


Yara, nossa amiga do curso, chegou acompanhada de uma moça alta, bonita e um tanto diferente. Pessoal, esta é minha prima. Seu nome é Kathelyn, ela é inglesa e está passando uns dias na minha casa. Há algum problema de a termos conosco? É claro que não haveria e lá fomos todos nós.


A chácara dos Machado era uma coisa linda, tudo muito bom, uma casa enorme e todos, a seu modo, tentando ajudar Kathelyn a se sentir at home.


Raquel e eu, por exemplo, nos esforçamos a ensinar-lhe um português básico: Lei-te, bo-la-cha, etc. Os rapazes solteiros, por outro lado, passaram o tempo ensinando e falando na frente dela palavras que uma moça de família não deveria aprender.


Apesar de se vestir de um modo peculiar, com tênis maiores que os meus, a inglesa era tão simpática quanto bonita.


Naqueles tempos sem Internet, uma novela dominava a cena: Roque Santeiro. E este era o tema da festa à fantasia que havíamos programado pro sábado à noite, um dia antes de voltarmos à Curitiba.


A festa foi incrível. Os personagens da novela, desfilavam pela enorme sala da casa. Cada porta que se abria, mostrava um mais caprichado que o outro, provocando muito riso e muita alegria pelo salão.


Raquel era a Porcina mais linda do mundo. Mesmo com um vestido feito de papel laminado vermelho, estava mais original que a viúva do folhetim. Eu era seu par, mas não era o Sinhozinho, pois o personagem cabia melhor ao Bira. Eu era o sério, sóbrio e incompreendido professor Astromar Junqueira.


No meio da festa, Yara pediu pra parar a música. Sua prima gostaria de dizer algumas palavras de agradecimento a todos e ela traduziria o discurso dela pro português.


Fez-se o silêncio necessário. Kathelyn foi pro meio da grande roda formada e então disse: Eu não sou inglesa porra nenhuma!!


Silêncio no salão. Muita coisa havia sido dita, em bom português, portanto, muita calma nessa hora. Foi uma saia justa inesquecível.


Regina, Yara e sua prima, haviam combinado tudo com antecedência. A prima era paulistana, professora de inglês e atriz. Algumas roupas e os tênis do irmão dela, completaram a farsa.


As três se escondiam no banheiro pra rir e assim poder levar aquela situação adiante por tantos dias. Esta história fabulosa rendeu muito pano prá manga. Rendeu muitas risadas e, pra mim pelo menos, ainda rende até hoje.






375 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Frigidaire

Essencial